Este homem foi o primeiro a socorrer um policial ferido, e você não vai adivinhar quem ele realmente é!

Curiosidades | História & Lugares | 23 de março de 2017 por Lucas Fenrir

Londres viveu um momento de horror ontem, na quarta-feira(22). Houve um ataque terrorista na capital inglesa. O ataque começou quando o agressor atropelou um grupo de pessoas ao passar pela Ponte de Westminster, em frente ao do Big Ben. O agressor foi identificado como sendo Khalid Masood, um britânico que apoiava o Estado Islâmico. Em seguida, ele saiu do carro e foi em direção ao Parlamento, atacando um policial com uma faca no caminho. Pouco depois, ele efetuou vários disparos. A defesa do parlamento reagiu e balearam o agressor, que acabou morrendo.

O policial que ficou ferido agonizou por muito tempo no chão. A primeira pessoa a tratar dos ferimentos dele foi um homem de terno, que apareceu em várias imagens que circularam ao redor do mundo. Este homem é ninguém menos do que Tobias Ellwood, vice-ministro das Relações Exteriores do Reino Unido.

Ele é um deputado do Partido Conservador, que realizou os primeiros socorros no policial. Ele tentou reanimar o oficial com uma respiração boca a boca, além de tentar parar o sangramento ao pressionar a ferida.

A ambulância chegou logo depois para auxiliar o deputado nos socorros ao policial. Tentaram controlá-lo e reanimá-lo por quase uma hora, mas o policial acabou morrendo.

Tobias aprendeu os primeiros socorros quando foi um soldado, servindo às forças armadas britânicas. Na imagem, que circulou o mundo inteiro, ele aparece com o rosto ensanguentado e em estado de choque. Podemos ver mais policiais e profissionais da saúde junto a ele.

Foi um dos dias mais tensos na história de Londres, especialmente porque o atentado aconteceu em frente ao Parlamento (equivalente ao Congresso Nacional brasileiro).

Atentado

Além do terrorista, que foi morto pela polícia, e do policial que morreu com o ferimento de faca, outras duas pessoas morreram no ataque. O americano Kurt Cochran, que estava viajando com a mulher pela Europa, a professora inglesa Aysha Frade, de 43 anos.

Após o atentado, a própria Rainha Elizabeth enviou condolências às pessoas afetadas pelo ataque.

“Meus pensamentos, minhas orações e minhas mais profundas condolências estão com todos aqueles que foram afetados pela terrível violência de ontem”, disse ela, em um comunicado oficial.

Estado Islâmico

Chamado de “Estado Islâmico do Iraque e do Levante” ou “Estado Islâmico do Iraque e da Síria” é uma organização jihadista islamita de orientação wahhabita, que opera majoritariamente no Oriente Médio. Também é conhecido pela sigla inglesa “ISIS”.

O grupo surgiu em 29 de junho de 2014, quando um grupo passou a se autointitular simplesmente “Estado Islâmico”. Eles afirmam ter autoridade religiosa sobre todos os muçulmanos do mundo e buscam tomar o controle de muitas outras regiões islâmicas.

O Estado Islâmico tenta obrigar as pessoas a se converterem ao islamismo. Quem não se converter, sofre torturas, mutilaçõe se pode até mesmo ser morto. Eles clamam a autoria de diversos atentados terroristas ao redor do mundo, e preocupam as forças armadas de todo o planeta.

O grande problema do Estado Islâmico, que afeta o mundo inteiro, é que eles costumam enviar secretamente seus seguidores infiltrados em meio aos milhares de refugiados do oriente médio, que buscam fugir dos conflitos. isso faz com que todos sejam vistos com maus olhos, e geram polêmicas e preconceitos ao redor do planeta.

Apesar disso, é necessário entender que nem todo convertido ao islamismo faz parte do estado islâmico. O “ISIS” é um grupo extremista, que usa os preceitos do islamismo para se justificarem. É preciso entender a diferença para se livrar de preconceitos.

E então, leitor(a), o que achou da matéria? O que teria feito no lugar de Tobias? O que acha que aconteceria se isso fosse no Brasil? O que acha do Estado islâmico? Deixa pra gente nos comments.

Fonte(s): Hipertextual
Imagens: Hipertextual
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários