5 pessoas “amaldiçoadas” que fizeram acordos com demônios

Mistérios & Horror | 15 de abril de 2016 por Isabella Marques

Uma coisa é lançar feitiços para conquistar a pessoa amada, fazê-la de apaixonar por você ou até mesmo para a chuva chegar nesse tempo seco. Mas iniciar relações estreitas com o próprio Diabo é um feito um tanto quanto diferente.

Mas existem relatos históricos do envolvimento de personalidades importantes com o próprio Diabo. Além de pacto com o próprio Tinhoso, muitas pessoas estabeleciam atividades demoníacas pelo simples prazer de estar com um ser monstruoso e do mal.

Prepare-se para conhecer 5 almas amaldiçoadas que fizeram pacto com o próprio Diabo:

1- Christoph Haizmann

1Haizmann-triptych

Um pintor que trabalha na Baviera e na Áustria no final do século 17, Chistoph Haizmann estava no centro de uma caça às bruxas e um pacto com o diabo. Quando ele entrou em colapso em 29 de Agosto, 1677, ele mostrou todos os sinais de sido torturado pela maldição de uma bruxa. Quando questionado pelas autoridades, Haizmann alegou que foi culpa sua e que ele tinha assinado um pacto com o diabo nove anos antes como uma maneira de sair do ciclo de pobreza e depressão que havia se tornado sua vida.

Ele tinha concordado em ser o filho do Diabo na Terra, mas ele também afirmou que tinha rejeitado ofertas de riqueza do Demônio.Quando um padre católico local chamado Leopold Braun ouviu falar sobre a história do pintor, ele recrutou a ajuda de exorcistas da Abadia de Mariazell. Depois de alguns exorcismos, Haizmann teve uma visão do Diabo, em que a besta lhe apareceu na forma de um dragão enorme. O dragão estava carregando uma cópia do contrato que ele tinha escrito e assinado, e Haizmann afirmou que ele era capaz de pegar o documento e rasgá-la. Depois disso, os sintomas de Haizmann aparentemente desapareceram.

Ele continuou a pintar, e o diabo era destaque na maioria de suas obras. Com o tempo, sua descrição do Diabo tornou-se mais distorcida e hedionda, e os sintomas de possessão de Haizmann começaram a ressurgir depois que ele foi viver com sua irmã e seu marido. Ele também se juntou a Irmandade da Santa Cruz.

Haizmann continuou a escrever algumas coisas muito aterrador na batalha por sua alma. De acordo com seus diários, o diabo apareceu para ele com frequência, tentando seduzi-lo com todos os prazeres mundanos que você poderia imaginar. Anjos aproximaram-se dele, também, tentando convencê-lo a levar uma vida penitente. Depois de passar por um outro conjunto de exorcismos em Mariazell, os sintomas mais uma vez sumiram. Haizmann tomou o nome de Irmão Crisóstomo e passou o resto de sua vida no fundo de uma vida religiosa.A história de Haizmann poderia ter sido completamente esquecida se ele não tivese sido objeto de um artigo de Sigmund Freud. Um diagnóstico mais contemporânea da condição de Haizmann é que ele estava provavelmente sofrendo de esquizofrenia.

2- Paulo Gil

2journals

De acordo com um escravo liberto chamado João Batista, na era colonial existiu um feiticeiro chamado Paulo Gil que era conhecido por ter feito um pacto com o Diabo por poderes mortais. Batista afirma que Gil ofereceu-lhe uma “bolsa mandiga”, mas sabendo de suas relações com o próprio tinhoso ele negou. No entanto Gil foi persistente e o convenceu a acompanhá-lo em uma viagem. Eles acabaram em uma encruzilhada, depois de se afastar por um tempo Gil voltou acompanhado de 7 criaturas demoníacas. Batista fugiu, e alguns dias depois, ele sentiu uma dor incrível. Quando confrontado Gil o feiticeiro disse que ele tinha lhe ferido, roubando um pouco do seu sangue e dá-lo a seus amigos demoníacos.

Quando Batista novamente recusou uma oferta para se envolver em ocupações mal de Gil uma tempestade de outro mundo desceu sobre a aldeia em que vivia. Só parou quando Batista orou Santa Ana, negando Gil e os demônios de seu sangue.A história tem elementos que são comuns no lendas folclóricas do Brasil: a história de adoração do diabo entre os escravos da colônia. Gil era um feiticeiro típico que trabalhava a sua magia em uma encruzilhada durante a noite, levando sangue e desvio de vida a partir do quadril de uma pessoa , com seus mestres escuros causando uma tempestade quando eles foram negados. Santa Ana era um santo comum para apelar contra estes maus.

3- Antoine Rose

witch

Em 1477, uma bruxa chamada Antoine Rose foi levada a julgamento. Conhecida como a bruxa de Savoy, ela contou uma história muito específica que ajudaria a cimentar uma das imagens mais icônicas da história da bruxaria: a vassoura. Segundo o depoimento de Rose, ela passava por problemas financeiros e reclamou com um vizinho que conhecia uma cara que a apresentou a um grupo de pessoas que a convenceu a pedir ajudas ao Diabo.

O diabo apareceu na forma de um homem chamado Robinet. Ele prometeu-lhe todo o dinheiro que ela precisava caso ela renunciasse a Deus e prestasse homenagem a ele. Ela também concordou com a o pedido de pagar-lhe uma determinada percentagem do seu salário a cada ano. Em troca, ele lhe deu um saco de ouro e prata, uma vara, e uma jarra cheia de pomada, além de instruções sobre como usá-lo para voltar ao lugar em que o conheceu. Tudo o que ela precisava fazer era esfregar o pau com a pomada, montar sob a vara, e dizer: ” Vá, em nome do diabo, vá !”

Rose testemunhou que a homenagem que pagaram para o diabo envolvia coisas como dança e festa , pisar na hóstia consagrada, e beijar imagens do Diabo quando ele mudou para a forma de um cão preto. A primeira vez que ela foi aterrorizada foi quando encontrou o Diabo em sua forma humana, e disse que ele tinha uma voz que era tão rouca que mal conseguia compreender as palavras. Seu testemunho seria o segundo caso documentado de uma bruxa que confirma a ideia de que o diabo deu-lhes a capacidade de voar em vassouras. Guillaume Edelin tornou-se a primeira em 1453. Ele admitiu ter voado em uma vassoura, enquanto estava sendo torturado.

4- John Dee

8-dee

Um cientista da Rainha Elizabeth I que exercia fortes influências na corte Elizabetana, era o próprio John Dee que fazia o mapa astral da Rainha. Mas foram relatados casos que iam muito além da astrologia, informações afirmavam que ele fazia adivinhações através de bola de cristal e também falava com anjos.

John Dee trabalhava ao lado de Edward Kelley que também exercia muita influência na corte. No entanto, a parceria acabou quando Dee passou a discordar das instruções que Kelley afirmava receber.

A Rainha ordenou que Dee fosse para Manchester, para que a população esquecesse do seu envolvimento com ocultismo. No entanto, os rumores de sua ligação com o Diabo permaneceram e aumentou quando descobriram que ele possuía uma queimadura suspeita. Ainda é possível ver um dos seus objetos demoníacos no Museu Britânico, o objeto é um espelho que canalizava espíritos de outro mundo.

5- Benvenuto Cellini

7hell

Um dos maiores escultores do mundo, Benvenuto Cellini viveu durante o século 16. Além de suas obras de arte, Cellini também deixou uma interessante autobiografia. Na obra ele conta a história de uma padre sciliano de quem ele foi amigo. Os amigos conversavam sobre arte. cultura e outras atividades intelectuais. Durante uma de suas conversas, Cellini afirmou se interessar por atividades de necromancia e o padre disse que ele estava com sorte.

O sacerdote deu-lhe instruções para pegar um amigo e encontrá-lo no Coliseu. Quando Cellini e seu amigo, Vincenzio Romili, chegaram, eles encontraram o padre agora vestido com as vestes de um necromante e de pé no meio de círculos que tinham sido desenhados no chão. O sacerdote começou então uma hora e meia de encantamentos. Ele estava tão tomado com a sua tarefa que ele não percebeu o que estava acontecendo até que ele olhou para cima. Foi quando ele viu as legiões de demônios que tinham enchido o Coliseu. Quando o padre-necromante disse a ele para fazer um pedido deles, ele pediu para se reunir com uma mulher que ele chamou de Angélica.

Eles foram ordenados a voltar com um garoto virgem. Então eles voltaram arrastando um garoto de 12 anos. Dessa vez Romili e outro amigo Angelino Gaddi trabalhavam com o fogo enquanto Cellini colocava o jovem no meio de um pentagrama. O garoto gritava dizendo ver milhares de demônios, além de gigantes e e homens, o encantamento não parecia estar funcionando, até Gaddi anulá-lo e todos começarem a rir.

Após o susto, Cellini afirmou nunca mais procurar por Angélica.

Dá até um frio na espinha. Conhece outras histórias semelhantes? Comente aqui.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários